Manual de Cicloturismo

O Manual está disponível na versão impressa para os gestores municipais na área de turismo e mobilidade, e aqui na versão digital (na íntegra) para o público geral.
Baixe o Manual Circuitos de Cicloturismo (arquivo PDF)

Tendo em vista que poucas cidades possuem atrativos para o turismo convencional, mas que quase todas possuem atrativos para o cicloturismo, o Manual apresenta dados e elementos de incentivo à criação de Circuitos de Cicloturismo, destacando os benefícios que esta modalidade de turismo traz para a economia e a cultura local.

Também traz instruções básicas para todo o processo de instalação e gestão do Circuito, desde a sua concepção até sua divulgação, o qual demanda baixo investimento financeiro público e privado, mas que proporciona bons retornos em médio prazo.

O município que instalar um Circuito de Cicloturismo estará se beneficiando de uma atividade em crescimento em todo o mundo e que atrai cada vez mais praticantes, desper- tando o interesse de governos e de empreendedores.

O cicloturista aproveita a paisagem e interage com as pessoas de uma forma que so- mente a bicicleta pode proporcionar, além de praticar exercício e contribuir para a susten- tabilidade ambiental, desta maneira agregando uma imagem positiva ao município que visita.

O Manual é resultado do trabalho conjunto do Núcleo de Desenvolvimento do Cicloturismo, formado por uma gabaritada rede de parceiros.

O Núcleo de Desenvolvimento do Cicloturismo coloca-se à disposição para complemen- tar as informações disponíveis e a fornecer consultas que forem de interesse do município para iniciar suas experiências com o Cicloturismo.

4 respostas a Manual de Cicloturismo

  1. OLHEI O MANUAL, E TENHO ALGUNHAS CRITICAS A FAZER:
    1 ) PORQUE SEMPRE FOCAR NO PODER PUBLICO, SE ELE É SEMPRE O MENOS INTERESSADO.
    2) MEU PROJETO PREVÊ PASSEIOS DE CURTA DURAÇÃO, PARA UM PUBLICO QUE NÃO É ATLETA OU VIAJANTE DE BIKE, LAZER SIMPLES E PRAZEROSO QUE É O QUE FAÇO, E ACHO QUE ESTIMULAR AS PESSOAS A ANDAR DE BIKE, NÃO PODE COMEÇAR POR COISAS TÃO COMPLICADAS, CHEIAS DE DETALHES TECNICOS, SIMPLIFICA MAIS ESTE NEGOCIO E FOCA EM GRUPOS , MENORES, CRIAR DEMANDA , DEMANDA TEMPO, E MENOS PODER PUBLICO.

    • Ana Bernadete Lyra Nogueira disse:

      Noel, bem observado. O poder publico não dá a menor bola é fato. Mais como podemos mudar isso?

      Gostei muito do foco em passeios de curta duração, imagino que seja para o fim de semana?

      Estou trabalhando num projeto de criação de rotas de cicloturismo na minha Pós (Pós-Senac a distancia). Caso possa me ajudar, agradeço.

  2. gilberto dias ferreira disse:

    Concordo com o Noel, pois fica parecendo que o Poder Público está interessado no ciclista. O máximo que fazem é apoiar algum evento esporadicamente (passeio etc).
    Porém, no dia-a-dia, na sinalização do trânsito a preferência é sempre dos carros. Aqui, em Joinville, quando um ciclista é atropelado e morto, a notícia no jornal diz “ciclista bate no carro/ônibus e morre. “Estava na pista exclusiva do ônibus e “bateu” no ônibus”, sempre para dar a impressão é do ciclista. As chamadas “ciclovias”, que na verdade são ciclofaixas, desaparecem ond mais são necessárias. Assim, a “linguagem” deixada pelo poder público é: vire-se, por tua conta e risco. Quando as pessoas perceberem que poderão pedalar em segurança, com na Holanda e outros países de Primeiro Mundo, teremos um incremento no uso da bicicleta com meio de transporte. Por ora, só lazer aos domingos (no parque), para população em geral.

Deixe uma resposta para Ana Bernadete Lyra Nogueira Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>